Uma liminar pedida pela Procuradoria-Geral do Estado de São Paulo impediu a veiculação, na última terça-feira (05), de uma peça publicitária feita por nove associações e sindicatos de policiais civis do Estado.

Em campanha salarial desde julho, os policiais iriam transmitir um vídeo de 34 segundos sobre o tema no intervalo do “Jornal Nacional”, da Rede Globo. No entanto, o desembargador Ricardo Dip, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), considerou que a propaganda “extrapola os limites do direito à informação e livre manifestação, objetivando causar pânico à população”.

As imagens mostrariam um gabinete com a inscrição “governador” e quatro atores vestidos como policiais civis pedindo para falar sobre “os salários mais baixos do país” e sobre a “segurança da população”. A associação dos policiais, que pretendem entrar em greve a partir do dia 13 deste mês, pagaria R$ 150 mil pela inserção no jornal.

Para a Associação dos Delegados da Polícia Civil de São Paulo (Adpesp) – que já recorreu da decisão – o fato pode ser configurado como censura. “Não queremos apenas melhores salários. Nossa proposta é de uma completa reestruturação da Polícia Civil, mas o governador, mal assessorado, não quer nos ouvir”, declarou o delegado Sérgio Roque, presidente da entidade.

Os delegados paulistas têm uma das mais baixas remunerações do País (R$ 4.247), atrás apenas de Minas, Bahia e Pará.

Comercial

FONTES: Portal Imprensa, Jornal O Estado de S. Paulo
Data Publicação: 06/08/2008
Enviado por: O aluno não deixo o nome.
Anúncios